Casando Sem Casamento, Mas Com Festa 

 


Casamos no civil no dia 05 de novembro de 2015, na Court House de Rockville, MD. Era dia de semana, mas 4 amigas puderam e fizeram questão de comparecer. Uma delas com uma câmera semi-profissional, e tirou fotos lindas! Editei todas e, no final, parece até que foi um ensaio profissional! Pelo menos eu achei! {obrigada, miga!}


Já que não rolou Vegas {porque era lá que eu queria casar!}, depois de pensar um pouco, resolvemos fazer uma celebração. Mas e quando você decide casar, mas não é muito fã do tradicional, e seu orçamento tá meio, digamos, curto? Você se reinventa! “Just a party, not a wedding“, ou “Apenas uma festa, não um casamento” foi a ideia que tivemos {o nome foi ideia dele} para comemorar a união da gente sem pressão – psicológica e financeira. Resolvemos fazer a tal da party no dia 05 de dezembro, o que me deixou com menos de um mês pra se organizar!

Então tínhamos 1 basement, 30 convidados, e menos de 30 dias pra planejar tudo. Deu certo? Cla-ro!


Já que não se tratava de um wedding, foi bem mais fácil. O Pinterest também deu uma grande ajuda na hora de clarear as ideias, além de ter recebido aquele apoio criativo da amiga Event Planner aqui. Escolhemos o tema Black & White {Preto & Branco}, e eu cuidei de cada detalhe. Começando pelo convite {topo direito na foto acima}, que fiz usando o Canva. Depois usamos o Paper Less Post pra enviar aos convidados {via e-mail}.

O budget {orçamento} era curto – mas curto mesmo! De início, era $600. No final, gastamos  $700, mesmo já tendo bebida guardada em casa. O bolo {lindo e gostoso!} foi presente, a ajuda na decoração também. Eu fui tendo as ideias e comprando o material. A decoração não tinha nada de exagero, só tinha que ser de acordo com o tema,  e alguma coisa precisava com certeza tapar os canos que temos aqui no basement. Foi aí que a mente criativa da planejadora de casamentos {e boleira} entrou em ação! Tinha comprado umas cortinas, mas eram transparentes. Não deu muito certo. Daí usamos um lençol branco – siiiiim! Lençol-branco-total-improviso – e ficou show!


Isso serviu de cenário pra fotos {além de cobrir a parafernália de casa americana}, e aí adicionei uma luz e photo booth props {os acessórios pras fotos} e a galera simplesmente amou!


O schedule da festa e o guestbook eu tirei de um livro pra scrapbook que achei super em sale na Michael’S, e aí comprei chalk pen {a canetinha que imita giz} pra os convidados assinarem. A folha assinada já está em uma moldura igual à do itinerário, e já tem outra moldura igual também onde vou colocar uma montagem com as fotos da festa.

Essas duas peças de vidro {foto abaixo} que usei pra colocar as velas são da Dollar Tree. Usei miçangas {pretas e pérolas} cobertas com água até a metade do vaso, e as velas que flutuam. Achei a ideia no Pinterest, e adorei! Deu um charme, sabe? Também usei cetim pra colocar no centro das duas mesas {não costurei nada, usei o pano dobrado mesmo e deu certo}.

Usei os móveis que tinha pra arrumar as mesas e a estação de bebidas. Os ítens de decoração {tirando as cortinas} comprei na Michael’S {na black friday!}. Falando nessa loja, fica bem mais fácil ter as ideias quando você chega lá! O problema é se controlar…
Eu pesquisei o menu do jantar e appetizers no Pinterest também. Teve um prato de frios, chips and salsa, e um cheese ball {que eu fiz comprida mesmo} pra servir com crackers. Pro jantar teve uma macarronada e salada {que foram ideia da amiga que me ajudou aqui no dia}, e frutas pra complementar. Também disponibilizei parmesão e dois molhos diferentes {Alfredo e Tomate}. O brigadeiro, de lei pra festas aqui em casa, foi a sobremesa – a gringalhada pira, e a brasileirada também! Pra bebida, teve diferentes tipos de vinhos {inclusive ganhamos alguns!}, e cerveja. O que não gostei foram as taças plásticas – a base ficava caindo, mas pelo menos servi o vinho em taças lol.


As lembrancinhas foram M&Ms personalizados, que eu coloquei nesses saquinhos fofos, e adicionei essas medalhinhas com “Thank you” {saquinhos e medalhinhas também da Michael’S, o M&Ms você pode criar no site oficial}.  Falando nas lembrancinhas… eu esqueci de entregar. Só os últimos a sair ganharam no dia. O resto dos convidados, a gente teve que enviar por correio {em envelope com plástico bolha}, e aí já enviamos junto com o cartão de agradecimento também. Fica a dica: cuidado pra não esquecer! Lol Ah! E foi um saquinho pra casa convidado.


No final deu tudo certo, mas sinceramente? Não tenho coragem de fazer outra nesse nível “sem” ajuda. Porque ainda tive a sorte de ter essas duas aí pra quebrarem um grande galho. E mesmo assim, brigadeiro não ficou pronto {acabei servindo num prato com colheres – improvisei valendo}, eu corri a noite inteira que nem louca, poderia ter tirado mais fotos da festa, e a maquiagem deixou muito a desejar {os convidados começaram a chegar, eu ainda estava me arrumando}. A moça no topo da foto é Event Planner aqui, e nossa! A cabeça dela funciona a mil/h, que nem a minha. Faz tudo com muita atenção e carinho, é bastante perfeccionista, e ainda fez o bolo delícia {se vc é de DC area, eu super indico o trabalho dela como planner, e posso passar o contato}. A loira gata aí também é pau pra toda obra, e adora cozinhar! Passou o dia aqui comigo no sábado me ajudando – se não fosse ela, eu teria tido um ataque dos nervos, só acho.
Meninas, muito obrigada pela ajuda!
Mas como falei, pra mim não rola mais fazer algo desse tipo sem profissionais cuidando dos detalhes. Por uma questão de você poder aproveitar mais, e ter tempo de se arrumar também. A comida foi o que deu mais trabalho, tanto a preparação quanto servir {mudar a mesa, etc}. Quando digo que não parei, eu não parei mesmo. O dia e a noite toda. Acho que a semana toda…

Mas a impressão que tive é que os convidados curtiram, tanto o ambiente, quanto a comida. Então a missão foi cumprida. E rolaram váaaaaaarias fotos no painel improvisado. Só faltou ‘azamiga’ do ‘Brasêl’ e a família, né?! Pelo menos tinha duas representando Recife aqui! ❤

Sobre os presentes, eu montei uma lista no site do Honey Fund – por aqui {e já to sabendo que no Brasil também} as pessoas estão optando cada vez mais por receber o dinheiro no lugar de presentes. Nós queríamos viajar no Ano-novo, então a lista foi uma contribuição pra nossa “honeymoon” – uma road trip pra New Orleans, passando por 6 estados {acabamos de voltar de lá, inclusive. Registrei tudo e vou disponibilizar nosso roteiro aqui aos poucos}.  Essa ideia de receber cash no lugar de presente foi uma das melhores coisas que esse povo poderia ter inventado. Muito válido! E recomendo o website que usei, se não me engano, foi o com taxas mais em conta que achei {sim, tem taxas! Claro que tem! Mas vale a pena!}.


Pra terminar, não usei vestido. Eu até ia usar, mas o danado não coube e eu deixei pra lá… Usei esse macacão preto & branco que nem era novo. No casamento também usei um vestido que eu gosto muito, e foi meu something old {porque ele é old mesmo!}. A ideia inicial era usar um vestido vermelho {na court e na festa}, mas comprei online e o danado não coube de jeito nenhum. Uma pena, porque era lindo. Casaria de vermelho de boa, e acho besteira quem acha que casar tem que ser de branco ou tons clarinhos. Mas respeito quem quer seguir com a tradição. 🙂

Pra você que quer casar, mas não quer festa tradicional, ou que tem um orçamento curto {tipo a gente!}, espero que tenha inspirado um pouco. Pra você que quer a festa tradicional, dá trabalho, mas se é seu sonho, corra atrás. Planeje, faça orçamento, junte dinheiro, e contrate profissionais bons {lembre que o barato pode sair caro} pra te ajudar e deixar tudo do jeito que você pensou.

É isso. Espero que tenham curtido. 😉

Pra atualizações diárias, é só seguir o Instagram @bellenaamerica e o snap iammissbelle. E também se inscrever aqui no blog e no canal do Youtube pra não perder nenhuma postagem!

Anúncios

Aquele Post De Fim De Ano…

img_4167

Fim de ano sem post de fim de ano, é como Natal sem ceia. Então vim aqui deixar minha retrospectiva super compacta e meus desejos pra 2016 e pra vida!

Em 2015 eu… 

Fiz minha primeira road trip {de DC até Key West, FL}, mudei pro Brasil, fiquei num relacionamento à distância, voltei pra faculdade de fisio, desisti de ficar no Brasil e longe do namorado, mudei pros EUA de novo, o verão foi massa, fiquei lisa, ganhei dinheiro, fiquei lisa de novo, me mudei com o namorado, virei “dona de casa”, percebi que gosto de cozinhar {se for pra mais de uma pessoa}, resolvi abrir meu próprio negócio, aprendi a amar marketing, reconfirmei que sou uma pessoa cagada tenho uma estrela na testa, noivei, quis me mudar pra Califórnia {que nem ano passado, que também não mudei, mas tive vontade}, casei, planejei festa em três semanas, criei meu blog do #BelleNaAmérica, e nesse momento, tô saindo pra nossa road trip pra New Orleans.

Em 2016 eu espero…

Viajar mais, voltar a estudar, crescer o meu negócio, crescer o blog, me exercitar, voltar pra Zumba, pintar as unhas toda semana, aprender sobre maquiagem, viajar mais {sim, de novo}, ir ao Brasil, passar a virada de ano em Noronha {amém}, crescer como ser humano, ler mais, viajar mais. Ah, e mais amor, por favor!

Agora, a minha mensagem de fim de ano vai ser em vídeo! E se você gostar, compartilha!

 

E uma frase que eu gosto muito:

“Se você não está satisfeito onde você está, mude. Você não é uma árvore.”

Feliz Novo Ano!

Xo,
Belle Azevedo.

Au Pair – A Decisão De Fazer O Intercâmbio & O Processo


Eu sempre tive vontade de viajar o mundo, e também sempre quis aprender outros idiomas {desde pequena}. Em 2008 eu fui trabalhar no Aeroporto Internacional de Recife, atendendo os voos internacionais. Ver aquele povo chegar, sair, e contar as histórias, só aumentou essa minha vontade de sair do Brasil. Foi aí que eu tive a ideia de ir estudar inglês na Europa.
Comecei a pesquisar no início de 2009, e era a única coisa que eu fazia – além de trabalhar e fingir que estudava {não estava muito feliz na faculdade}. No meio de toda minha pesquisa, sempre voltada pra Europa, eu descobri o programa de Au Pair, que era {e ainda deve ser} o intercâmbio mais acessível $$$.
Um dia uma moça da STB {agência de viagens e intercâmbio de Recife} me ligou, e eu expliquei que meu budget {orçamento} era baixo, e que os intercâmbios que eu tinha interesse, infelizmente, estavam fora de cogitação. Foi aí que essa moça me apresentou o programa de Au Pair no Estados Unidos, e me lembro até hoje que soltei um “De jeito nenhum! Eu odeio os Estados Unidos!” – paguei a língua muito bem paga, né?
Mas eu comecei a pesquisar sobre o país, sobre o programa, e minha mente começou a abrir. Nisso eu já tinha envolvido uma amiga minha, que também era louca pra morar fora e já falava inglês, e fomos as duas à uma palestra da Au Pair In America. Também lembro até hoje quando essa minha amiga bateu na mesa e disse “Vamo amanhã!“. E demos início à todo o processo – desde começar a juntar dinheiro, tirar passaporte, comprar mala… Ela já falava inglês, eu não {mas isso são palavras para um próximo post…}.
Depois que decidi virar Au Pair, as pesquisas sobre tudo que dizia respeito ao assunto passaram a me consumir! Eu larguei a faculdade {de vez, finalmente}, e todo o momento que eu tinha em frente à um computador, era pra pesquisar e estudar inglês.
Não sei agora, mas na época, era moda as futuras Au Pairs terem um blog contando o seu processo. Eu também tinha um, onde eu deixei praticamente todo o meu processo e dilemas registrados. Era legal porque, além de fonte de pesquisa, servia também de apoio moral, fora que conheci várias meninas através desse blog. Também tenho que agradecer ao finado Orkut, pois tive uma conta fake só pra juntar a aupairzada e não perder os fóruns nas comunidades. Bons tempos!
Depois de pesquisar um bocadinho, decidimos fechar com a Cultural Care. A Marina {agente da CC em Recife na época} era uma fofa! Sempre muito realista e prestativa, me ajudou bastante no processo, já que eu era super insegura {até hoje lembro dela quando ouço Unwritten}.

Quer saber? Eu acho que nada melhor pra descrever meu processo que meu antigo blog – que eu achei perdido no mundo virtual!

Pouco mais de seis anos se passaram, aquela pessoa do blog mudou, o inglês melhorou, mas to adorando recuperar um pouquinho do que eu era relendo tudo!
Vem ler comigo!

>>> eudeaupair.blogspot.com <<<

#MeuAmigoSecreto

  
A hashtag #MeuAmigoSecreto tá de volta. E eu tenho vários amiguinhos secretos esse ano! 

#MeuAmigoSecreto olha pras mina como se tivesse olhando pra um pedaço de carne. Chama de gostosa e o que mais dá vontade. Meu amigo secreto foi paquerado por um gay e não curtiu, mas acha que as mina não podem reclamar. Ah vá! 

 #MeuAmigoSecreto acha que tenho obrigação de cozinhar e limpar a casa porque sou mulher. Meu amigo secreto não sabe que as tarefas devem ser divididas, e provavelmente a única que acordava no meio da noite pra cuidar das crianças, enquanto o marido dormia. Meu amigo secreto não sabe mesmo que as tarefas DEVEM ser divididas. 

#MeuAmigoSecreto reclama porque alaga tudo quando chove, mas joga lixo na rua pra “o gari não ficar desempregado”. 

#MeuAmigoSecreto ficou com raiva porque o prefeito proibiu piquenique e cachorro no parque. Meu amigo secreto não sabe que isso foi uma medida drástica pra evitar todo o lixo e fezes do cãozinho que o povo muito mal educado deixa pra trás. 

#MeuAmigoSecreto acha que pode transar com a menina que tá bebada. Meu amigo secreto talvez não saiba, mas isso é estupro. E não, ela não está pedindo.

#MeuAmigoSecreto diz que mulher dele não pode frequentar bar, nem ter amigas solteiras. Meu amigo secreto gosta de pegar uma novinha enquanto a mulher tá em casa na sexta à noite fazendo a janta dos filhinhos.

#MeuAmigoSecreto reclama dos políticos, os chama de corruptos. Meu amigo secreto fura fila, falsifica carteira de estudante, e da ‘aquele’ jeitinho pra ser atendido mais rápido… Meu amigo secreto não sabe que pecado é pecado, não importa o tamanho.

#MeuAmigoSecreto reclama do seu salário e diz que é desvalorizado na sua profissão. Meu amigo secreto gosta de pedir aquele desconto de 50% nos serviços que precisa {ou não precisa também}. Meu amigo secreto não sabe que aquele desconto vai diminuir o salário daquele profissional.

#MeuAmigoSecreto não tem dinheiro pra pagar as contas de casa, mas comprou tênis Nike e roupinha da Tommy pra passar o natal no estilo. 

#MeuAmigoSecreto não gosta de homossexuais porque é cristão. Meu amigo secreto não sabe que cabe APENAS à Deus julgar.

#MeuAmigoSecreto só queria que cada um cuidasse da sua vida. Esse meu  amigo secreto tá até certo.