Looks De Dezembro 

Aqui vão os seis looks de dezembro que separei do Insta! Ainda usando jaquetas, e até barriga de fora! Isso é um milagre… Mentira! É o aquecimento global mesmo! Confesso que tô adorando esse atraso do inverno.

Blusinhas básicas + jaquetas + leggings, pra mim, são a combinação perfeita! Daí é só dar uma caprichada nos acessórios. Simples, mas chic, e ainda barato! Um jeans também me ganha fácil, mas as leggings são tão confortáveis…

Mais uma vez, a maioria das peças são da Forever 21 e da H&M {coleções passadas, mas que vi de novo nas lojas, hein?}. A bolsa azul é Franco Sarto, a preta de costas é Victoria’s Secret, e o long sweater cor de rosa é Old Navy! Colares são H&M também, com exceção do vermelho da foto no topo esquerdo – esse é by Belle Azevedo! 😉

Mês que vem os #looks serão os da viagem! Apenas ??? 14 looks! Kkkkkkkkk

Xo, 

Belle Azevedo.

Anúncios

Aquele Post De Fim De Ano…

img_4167

Fim de ano sem post de fim de ano, é como Natal sem ceia. Então vim aqui deixar minha retrospectiva super compacta e meus desejos pra 2016 e pra vida!

Em 2015 eu… 

Fiz minha primeira road trip {de DC até Key West, FL}, mudei pro Brasil, fiquei num relacionamento à distância, voltei pra faculdade de fisio, desisti de ficar no Brasil e longe do namorado, mudei pros EUA de novo, o verão foi massa, fiquei lisa, ganhei dinheiro, fiquei lisa de novo, me mudei com o namorado, virei “dona de casa”, percebi que gosto de cozinhar {se for pra mais de uma pessoa}, resolvi abrir meu próprio negócio, aprendi a amar marketing, reconfirmei que sou uma pessoa cagada tenho uma estrela na testa, noivei, quis me mudar pra Califórnia {que nem ano passado, que também não mudei, mas tive vontade}, casei, planejei festa em três semanas, criei meu blog do #BelleNaAmérica, e nesse momento, tô saindo pra nossa road trip pra New Orleans.

Em 2016 eu espero…

Viajar mais, voltar a estudar, crescer o meu negócio, crescer o blog, me exercitar, voltar pra Zumba, pintar as unhas toda semana, aprender sobre maquiagem, viajar mais {sim, de novo}, ir ao Brasil, passar a virada de ano em Noronha {amém}, crescer como ser humano, ler mais, viajar mais. Ah, e mais amor, por favor!

Agora, a minha mensagem de fim de ano vai ser em vídeo! E se você gostar, compartilha!

 

E uma frase que eu gosto muito:

“Se você não está satisfeito onde você está, mude. Você não é uma árvore.”

Feliz Novo Ano!

Xo,
Belle Azevedo.

DC – Zoo Lights

IMG_4154

O Zoo de DC é fantástico o ano inteiro {até no inverno}, mas fica ainda mais interessante na época de natal!

Quando entramos no outono aqui, os dias começam a ser mais curtos {bem mais curtos}, e o sol se põe por volta das 5 da tarde. É aí que se dá início o festival de luzes, o Zoo Lights.

O Zoo Lights acontece, geralmente, do final de novembro até a primeira semana de janeiro, e é um evento gratuito. O Zoológico fica cheio de luzes natalinas de uma ponta à outra, e também conta com pequenas apresentações, carrossel e outros brinquedos pra divertir as crianças, pracinha de alimentação, e alguns pontos onde você pode encontrar souvenirs de tudo quanto é tipo – tanto do zoo, quanto de Washington, DC.

Aqui vai o registro em vídeo. A qualidade não é das melhores, mas espero que dê pra quebrar o galho…

 

 

O Zoo aqui fica aberto o ano inteiro {salvo se tiver algum acidente, construção, tempestade…}, e é possível observar uma variedade grande de animais, incluindo o Panda! Vir à DC e não visitar o National Zoo, eu só perdoo se sua estada for extremamente breve! Nesse link aqui você tem como saber mais informações sobre horários para visitas.

Pra ter os posts em primeira mão, é só se increver. Pode se inscrever também no canal do youtube, e seguir no Insta > @bellenaamerica <, e no Snap > iammissbelle <

Xo,

Belle Azevedo.

Quando Eu Era Au Pair – Show Do Keane Em Philly

  
Antes de vir pros Estados Unidos {em 2010}, eu fiz uma lista de bandas e cantores que eu queria ver ao vivo. Coldplay, U2, Christina Aguilera, Maroon 5 {opa! esses eu vi!}, e uma banda não muito popular, mas que quase todo mundo já deve ter ouvido {e curtido}, chamada Keane. 

Assista o clipe da música famosa aqui.

Na época eu tinha 23 anos, ainda estava morando com minha host family {família anfitriã do programa de Au Pair} em Great Falls, Virginia, e era verão aqui na América de cima. O show ia acontecer em Philadelphia, Pennsylvania – se me lembro bem, dava umas três horas de Washington DC, que já ficava quase uma hora de distância da minha casa. Mas eu fui! 

Comprei o ingresso no estilo “cheirando o palco” num valor super baixo… Peguei o busão e fui sozinha mesmo! 

Cheguei na rodoviária, peguei um táxi e fui direto pro local do show. Até então, tudo certo. A banda arrasou do jeitinho que eu imaginei, não deixou a desejar at all. Mas a saída do lugar foi tensa complicada. Eu tinha ouvido falar que Philly não era um lugar muito seguro, mas nem liguei… Nasci e me criei nos guetos de Recife, por que uma cidade aqui iria botar medo em mim? 

A noite tava só começando!… Carinhas se aproximando o tempo todo, perguntando de onde eu era, e um até chegou a dizer – de boa mesmo, papo de amigo – pra eu ter muito cuidado e que eu não deveria tá andando sozinha por lá. Mas já era {literalmente} tarde hahahaha. Nem liguei porque ajoelhou, reza, peguei outro táxi, fui pra rodoviária. O busão não tava mais lá! {várias gargalhadas} Essa parte foi a melhor da noite! {gargalhadas again} Mas como meus anjos da guarda sempre cuidaram bem de mim, eu fui na fé que inclusive, era só o que me restava {mais e mais gargalhadas}.

A essa altura do campeonato, eu já tinha ligado pra uma amiga que morava “por lá” {tipo quase uma hora de carro}. Ela me deu as coordenadas pra chegar até ela de trem, então peguei um bus que iria me deixar perto da estação de trem, nisso já eram quase meia-noite. 

Como eu disse, meu anjo é forte! A parada de ônibus era bem distante da estação, mas o motorista teve pena de mim e me deixou o mais próximo possível antes de ele dobrar numa esquina. E ainda parou um táxi que me levou até a frente do lugar de-gra-ça {até porque eu não tinha mais cash, mencionei isso? Vamos rir mais}. Obrigada, Senhor! 

Ok. A estação era enorme, mas segui as instruções da minha amiga e não perdi o último trem {mas quase}. A merda bronca foi só na hora de pagar, cadê dinheiro? Eles não aceitavam cartão, pelo menos na época, então preenchi um bilhete lá que eles enviavam o valor pra meu endereço depois – minha gente, não paguei até hoje! To devendo $6 pro governo de PA {e nem lembrava mais, espero que eles também não}.

Tá, mas peguei o trem e desci na estação combinada. Cadê a amiga? A amiga tava vindo de ré… E eu lá morrendo de medo… 

Mas ela chegou. Finalmente! 

Só não me levou pra casa logo, paramos numa festa estranha com gente esquisita, e eu não tava legal. Mas tudo certo, a amiga não ficou puta chateada comigo, me deu abrigo, comprei passagem pra outro busão, e parti de volta pra DC de manha. 

Melhor foi chegar em casa contando pra minha host como foi e ela:

Bel, se eu soubesse que vc tava indo sozinha pra Philly, não teria deixado vc ir.” Oops!

Mas como dizia uma antiga propaganda da Skol, estórias pra contar pros netos… Ah! O verão!…

Xo,

Belle.
P.S.: Isso foi em 2010. Essa amiga é a mesma que mencionei no post anterior. Ela ficou aqui dois anos como Au pair, voltou pro Brasil, e veio novamente como Au Pair ano passado {sim! Vc pode fazer o programa duas vezes}. Ela terminou o primeiro ano em Pittsburgh, e está iniciando o segundo ano em Philly! Essa bixa deve amar a Pennsylvania! 😜

P.S.2: Philly é uma cidade linda, que como qualquer cidade grande, temos que tomar cuidado. Normal! Vale MUITO a pena conhecer! 

Au Pair – A Decisão De Fazer O Intercâmbio & O Processo


Eu sempre tive vontade de viajar o mundo, e também sempre quis aprender outros idiomas {desde pequena}. Em 2008 eu fui trabalhar no Aeroporto Internacional de Recife, atendendo os voos internacionais. Ver aquele povo chegar, sair, e contar as histórias, só aumentou essa minha vontade de sair do Brasil. Foi aí que eu tive a ideia de ir estudar inglês na Europa.
Comecei a pesquisar no início de 2009, e era a única coisa que eu fazia – além de trabalhar e fingir que estudava {não estava muito feliz na faculdade}. No meio de toda minha pesquisa, sempre voltada pra Europa, eu descobri o programa de Au Pair, que era {e ainda deve ser} o intercâmbio mais acessível $$$.
Um dia uma moça da STB {agência de viagens e intercâmbio de Recife} me ligou, e eu expliquei que meu budget {orçamento} era baixo, e que os intercâmbios que eu tinha interesse, infelizmente, estavam fora de cogitação. Foi aí que essa moça me apresentou o programa de Au Pair no Estados Unidos, e me lembro até hoje que soltei um “De jeito nenhum! Eu odeio os Estados Unidos!” – paguei a língua muito bem paga, né?
Mas eu comecei a pesquisar sobre o país, sobre o programa, e minha mente começou a abrir. Nisso eu já tinha envolvido uma amiga minha, que também era louca pra morar fora e já falava inglês, e fomos as duas à uma palestra da Au Pair In America. Também lembro até hoje quando essa minha amiga bateu na mesa e disse “Vamo amanhã!“. E demos início à todo o processo – desde começar a juntar dinheiro, tirar passaporte, comprar mala… Ela já falava inglês, eu não {mas isso são palavras para um próximo post…}.
Depois que decidi virar Au Pair, as pesquisas sobre tudo que dizia respeito ao assunto passaram a me consumir! Eu larguei a faculdade {de vez, finalmente}, e todo o momento que eu tinha em frente à um computador, era pra pesquisar e estudar inglês.
Não sei agora, mas na época, era moda as futuras Au Pairs terem um blog contando o seu processo. Eu também tinha um, onde eu deixei praticamente todo o meu processo e dilemas registrados. Era legal porque, além de fonte de pesquisa, servia também de apoio moral, fora que conheci várias meninas através desse blog. Também tenho que agradecer ao finado Orkut, pois tive uma conta fake só pra juntar a aupairzada e não perder os fóruns nas comunidades. Bons tempos!
Depois de pesquisar um bocadinho, decidimos fechar com a Cultural Care. A Marina {agente da CC em Recife na época} era uma fofa! Sempre muito realista e prestativa, me ajudou bastante no processo, já que eu era super insegura {até hoje lembro dela quando ouço Unwritten}.

Quer saber? Eu acho que nada melhor pra descrever meu processo que meu antigo blog – que eu achei perdido no mundo virtual!

Pouco mais de seis anos se passaram, aquela pessoa do blog mudou, o inglês melhorou, mas to adorando recuperar um pouquinho do que eu era relendo tudo!
Vem ler comigo!

>>> eudeaupair.blogspot.com <<<

Quando A Temperatura Cai… 

 O clima aqui é meio bipolar {o ano todo}.

Os primeiros dias de frio são um desafio. 18 graus é frio até que dá 14. E de 14 cai pra 10. Agora 18 já dá pra aguentar fácil, e se der 22 seu corpo já acha que tá o maior verão lá fora… 

O outono chega e te deixa ainda mais confusa: tem fim de semana que tá calor, no outro vc não quer nem sair de casa… Aí vem outro findi pra vc botar suas perninhas de fora – enquanto pode!.

Mas no outono é tudo lindo, e vc nem liga. Pode usar botas, echarpes, e aquelas roupinhas da estação, super estilosa. E o frio tem seu charme.

Só que a temperatura continua a baixar… E já já todo aquele estilo vai ser coberto pelos casacos pesados… 

“O inverno está chegando”, e ele chega com tudo!

As árvores, com folhas de várias cores, agora estão peladas, e o céu cinzento. O termômetro ameaça ficar abaixo de zero. E fica. 

Junto com isso tudo, chegam as festas de fim de ano. O inverno não traz só o frio {que por si só, já é meio deprê}. Passar as festas na Terrinha do Tio Sam não é fácil pra quem cresceu no Brasil, e deixou família de sangue e de amigos pra trás. E o calorzinho em todos os sentidos, e a animação da virada de ano na praia, ou na fazenda, ou numa casinha de sapê.

Em dezembro, a saudade aumenta. Já a temperatura… 

Mas a gente acostuma. Já já 10 graus é calor também, e vc acaba cedendo àquele vinho amigo que te esquenta antes de vc sair de casa. 

As luzes de natal pela cidade te trazem um pouquinho de felicidade. A primeira neve da estação tem toda aquela mágica…

E a prima logo tá aí, com temperaturas melhores, Cherry Blossom, flores de todas as cores, e perninhas de fora de novo!

E a gente vai se acostumando.

Viva o inverno na América de cima, os vinhos, e aqueles dias que chega nos 18 celsius {tipo hoje}.

Cheers,

Belle.